Tipos de Dislexia

0

Há três grandes tipos de dislexia, referidas por tantos autores, e, tantas vezes, por nós presenciadas na prática: a dislexia visual (ortográfica ou diseitética), a dislexia auditiva (fonológica ou disfonética) e a dislexia mista, que é uma combinação das duas anteriores. 
No caso da dislexia visual, o problema tem origem no percurso do estímulo visual até ao córtex visual, portanto, prende-se com a forma como o cérebro processa e interpreta esse estímulo. Por sua vez, no caso da dislexia auditiva, o cérebro tem dificuldade em processar e interpretar a informação que é ouvida, ou seja, neste caso o problema tem origem no percurso do estímulo auditivo até ao córtex auditivo. Quanto à dislexia mista, alguns dos problemas podem ser do tipo visual, ao passo que outros podem inscrever-se no tipo auditivo. 

Dislexia visual (Ortográfica ou Diseitética)
A dislexia visual caracteriza-se por um conjunto de problemas relacionados com a sequência, ou seja, com a incapacidade de sequenciar eventos ou coisas. Por exemplo, a criança com dislexia visual tem dificuldade em sequenciar as letras do alfabeto e as letras nas palavras, os dias da semana e os meses do ano, os eventos de uma história por uma ordem definida ou, até, em seguir instruções relativamente simples quer elas sejam verbais quer sejam dadas por escrito. Apresenta ainda problemas de discriminação visual, confundindo letras e palavras parecidas, revertendo-as por vezes. São de isso exemplo as trocas de bês por dês ou ato por ota. 
A escrita da criança com dislexia visual tende a ser inconstante, apresentando letras de tamanhos diferentes, omissões, rotações, reversões, emendas e rasuras frequentes. Também os desenhos que ela faz aparentam muitas vezes imaturidade, faltando-lhe pormenores essenciais.

Dislexia auditiva (Fonológica ou Disfonética)
A criança com dislexia auditiva tem problemas com certas funções auditivas intra-sensoriais, tendo dificuldade, por exemplo, em distinguir as unidades de som da linguagem, sendo-lhe difícil, portanto, transformá-las em palavras ou, vice-versa, pode não conseguir dividir uma palavra nas suas partes mais simples (sílabas). Tem ainda problemas em relacionar os sons da palavra com a palavra escrita, ou seja, relacionar o fonema com o grafema. Soletrar é também uma tarefa difícil para uma criança com dislexia auditiva.
A criança com dislexia auditiva apresenta problemas na discriminação auditiva, tendo dificuldade em diferenciar letras e palavras cujo som é parecido. Por exemplo, pode confundir o som do m com o do n, as letras b, d, t, p e g, não perceber que os sons iniciais e finais de palavras são iguais (berço e barco, casa e brasa), trocar a ordem das consoantes (calmo, clamo), confundir os dígrafos (telha, tenha), não perceber as rimas (quando lhe é pedido para dizer palavras que rimem com gato, poderá responder, goto ou sapo, ou mesmo inventar palavras sem significado, zato ou sato).A criança com dislexia auditiva pode ainda apresentar problemas na memória auditiva. Finalmente, no que diz respeito à escrita, a criança com dislexia auditiva tende a escrever muito devagar, rasurando muito o texto, devido à sua insegurança em soletrar as palavras. 

Dislexia mista
A criança com dislexia mista tende a apresentar comportamentos associados a ambas as áreas, visual e auditiva, ou seja, alguns problemas são de ordem auditiva ao passo que outros são de ordem visual. 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone
Partilhe!

Comentários encerrados