Tipos de NEE

0

Referimos atrás que, no caso das crianças e adolescentes com ritmos e estilos de aprendizagem diferentes dos “normais”, teríamos de considerar adequações/adaptações curriculares mais ou menos generalizadas. É, portanto, a partir da necessidade de se efetuarem adaptações, cujo grau de modificação curricular e/ou ambiental é variável em função da problemática em questão, que poderemos classificar as NEE. Começaremos por dividi-las em dois grandes grupos: NEE ligeiras e NEE significativas.

NEE LIGEIRAS

As NEE ligeiras são aquelas em que a adaptação do currículo escolar é parcial e se realiza de acordo com as características do aluno, num determinado momento do seu percurso escolar. Geralmente, podem manifestar-se como problemas ligeiros na leitura, escrita ou matemática ou como problemas ligeiros, atrasos ou perturbações menos graves ao nível do desenvolvimento motor, percetivo, linguístico ou socioemocional.
A resposta educativa a estas problemáticas geralmente exige uma modificação parcial do currículo escolar e/ou dos ambientes onde o aluno se move, adaptando-os às características do aluno, num determinado momento do seu desenvolvimento e percurso educacional.

NEE SIGNIFICATIVAS

As NEE significativas são aquelas em que a adequação/adaptação do currículo é generalizada, numa ou mais áreas académicas e/ou socioemocional, e objeto de avaliação sistemática, dinâmica e sequencial de acordo com os progressos do aluno no seu percurso escolar. Neste grupo, encontramos as crianças e adolescentes cujas alterações significativas no seu desenvolvimento foram provocadas, na sua essência, por problemas orgânicos, funcionais e, ainda, por défices socioculturais e económicos graves. Abrangem, portanto, problemas do foro sensorial, intelectual, processológico (problemas no processamento de informação), físico, emocional e quaisquer outros problemas ligados ao desenvolvimento e à saúde do indivíduo.

De acordo com o exposto, encontramos um conjunto de categorias específicas, todas elas relacionadas com um possível insucesso escolar e/ou socioemocional da criança ou adolescente que nelas se enquadre.
Elas incluem, por ordem decrescente das suas prevalências:

  • as dificuldades de aprendizagem específicas
  • os problemas de comunicação
  • os problemas intelectuais (deficiência mental)
  • as perturbações emocionais e do comportamento
  • a multideficiência
  • a deficiência auditiva
  • os problemas motores
  • os problemas de saúde
  • a deficiência visual
  • as perturbações do espectro do autismo
  • a surdo-cegueira
  • o traumatismo craniano

Este misto de categorias específicas enquadra-se num conjunto mais abrangente que passamos a tratar para ficarmos com uma ideia mais precisa da população em causa.

NEE de carácter intelectual

Neste grupo geralmente encontramos as crianças e adolescentes com problemas intelectuais/deficiência mental, ou seja, aqueles indivíduos cujos problemas acentuados no seu funcionamento intelectual e comportamento adaptativo lhes causa problemas globais na aprendizagem, quer ela seja académica, quer social.

NEE de carácter processológico (processamento de informação)

Os alunos com problemas processológicos, derivados de problemas relacionados essencialmente com a receção, organização, retenção e expressão de informação, são geralmente designados por alunos com dificuldades de aprendizagem específicas. Embora esta categoria seja de difícil definição, ela caracteriza-se, em geral, por uma discrepância acentuada entre o potencial estimado do indivíduo (inteligência na média ou acima da média) e a sua realização escolar que é abaixo da média numa ou mais áreas académicas, mas nunca em todas, como geralmente é o caso dos indivíduos com problemas intelectuais/deficiência mental.
Em termos etiológicos, tem sido difícil também encontrar consenso entre os autores, embora cada vez mais se relacionem as dificuldades de aprendizagem específicas com uma disfunção no sistema nervoso central, partindo-se, portanto, do princípio que a sua origem será neurológica.

NEE de carácter emocional

Nesta categoria enquadram-se todos os alunos cuja problemática emocional ou comportamental indicia comportamentos de tal forma desapropriados que levam à disrupção dos ambientes em que eles se inserem. Embora continue a controvérsia quanto à definição e terminologia mais corretas, esta categoria engloba essencialmente o grupo de alunos cujas perturbações são de tal maneira graves que põem em causa quer o seu sucesso escolar quer, mesmo, a sua segurança e a daqueles que os rodeiam. Nela se incluem as psicoses, as esquizofrenias e quaisquer outros problemas graves de comportamento.

NEE de carácter físico e de saúde

Em primeiro lugar, falarei dos alunos cujos problemas motores lhes podem criar impedimentos de vária ordem. Este grupo de alunos engloba todos aqueles cujas capacidades físicas foram alteradas por qualquer problema de origem orgânica ou ambiental, vindo a provocar-lhes incapacidades do tipo manual e/ou de mobilidade. As categorias mais comuns deste grupo são a paralisia cerebral, a espinha bífida (spina bífida) e a distrofia muscular, embora possamos encontrar outros problemas motores derivados de problemas respiratórios graves, amputações, poliomielite e, até, acidentes que venham a afetar os movimentos de um indivíduo.
No grupo dos problemas sensoriais incluem-se, principalmente, os alunos cujas capacidades visuais ou auditivas estão afetadas. Assim, no que diz respeito à visão, podemos considerar duas subcategorias: os cegos e os amblíopes (visão reduzida). Os cegos são aqueles cuja incapacidade os impede de ler, seja qual for o tamanho da letra. Para ler, usam o sistema Braille. Os amblíopes, mesmo tendo em conta o grau de severidade do problema, são capazes de ler desde que se efetuem modificações no tamanho das letras.
Quanto aos problemas de audição, também eles se dividem em duas subcategorias: os surdos e os hipoacúsicos. Os surdos são aqueles cuja perda auditiva é de 90 decibéis ou superior, requerendo qualquer tipo de comunicação alternativa, como por exemplo, a linguagem gestual. Os hipoacúsicos são aqueles cuja perda auditiva se situa entre os 26 e os 89 decibéis, requerendo qualquer tipo de aparelho de amplificação para facilitar a audição.
Para além dos grupos mencionados, considerados como tradicionais, há ainda um conjunto de crianças e adolescentes que, a partir de 1990, começaram a receber uma atenção especial por parte das instituições educacionais. São eles os que apresentam problemas relacionados com a saúde que podem originar insucesso escolar, problemas geralmente categorizados como problemas de saúde e que incluem condições como diabetes, asma, hemofilia, cancro, SIDA, epilepsia, desordem por défice de atenção/hiperactividade, entre outros.

Outros grupos de alunos com NEE

Em primeiro lugar falaremos sobre os indivíduos que apresentam problemas provocados por traumatismo craniano, tradicionalmente associados às categorias dos problemas intelectuais/deficiência mental, dificuldades de aprendizagem específicas e perturbações emocionais; em segundo lugar há ainda a considerar um grupo de indivíduos, cujas prevalências têm vindo a aumentar, que, devido a um conjunto de características muito próprias, manifestadas logo nos primeiros três anos de vida, são classificados de indivíduos com autismo.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone
Partilhe!

Comentários encerrados